sábado, 1 de março de 2008

ROCK NA IGREJA?

Rock Religioso - A Música do Diabo na Igreja!!

Autores: Alan Yusko e Ed Prior

The Seed Sowers: PO Box 2513, Stn. F, Scarborough, Ontário M1W 3P2 Canadá

Devido à importância do assunto, os autores permitem que este artigo seja livremente reproduzido e distribuído.


Nas aulas de Biologia, é comum os professores citarem o exemplo do sapo que, quando colocado na água fervente, pula imediatamente para fora. Entretanto, se o mesmo sapo for colocado em uma bacia com água fria e essa bacia for levada ao fogo brando, o corpo do sapo se ajustará à elevação gradual da temperatura da água e ele acabará morrendo cozido!

O Rock religioso é como o sapo na bacia com água. O termo "rock and roll" era uma gíria que existia nos anos 50 e significava "sacanagem, safadeza praticada pelos casais de namorados adolescentes no banco traseiro do carro dos pais". Portanto, o termo estava associado com a fornicação e a imoralidade sexual. A música Rock já arruinou a vida de muitos adolescentes por meio do suicídio, abuso das drogas, imoralidade, perversões, satanismo, etc. Infelizmente, vivemos em uma época em que muitos cristãos e seus líderes estão permitindo que essa música demoníaca entre nas igrejas, afirmando que ela está santificada pois as letras foram modificadas e incluem palavras 'religiosas'. Onde está o discernimento? O simples fato de essa música demoníaca ter entrado na igreja é prova do declínio moral e espiritual que está afetando as igrejas atualmente. Estamos sendo invadidos por diversas variedades de música Rock: Acid Rock, Punk Rock, New Wave e Heavy Metal, todos disfarçados de Rock religioso.

A palavra de Deus diz:

"Quem dera que eles tivessem tal coração que me temessem , e guardassem todos os meus mandamentos todos os dias, para que bem lhes fosse a eles a a seus filhos para sempre." (Deuteronômio 5:29)

"Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência. Portanto, não sejais seus companheiros. Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz." (Efésios 5:6-8)

"Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado." (Hebreus 3:13)

Satanás foi criado originalmente como uma bela criatura musical:

"Estiveste no Éden, jardim de Deus; de toda a pedra preciosa era a tua cobertura: sardônia, topázio, diamante, turqueza, ônix, jaspe, safira, carbúnculo, esmeralda e ouro; em ti se faziam os teus tambores e os teus pífaros; no dia em que foste criado foram preparados." (Ezequiel 28:13)

Como ele tem um talento musical excepcional, podemos saber que usará a música para enganar e escravizar.

Os roqueiros cristãos dizem que precisamos ser como o mundo, ter a mesma aparência e ouvir a mesma música, para podermos alcançar a juventude atual. Dizem que muitos jovens não quererão ouvir o evangelho nem vir à igreja se não tivermos algum terreno em comum com eles. Esse terreno comum é o Rock and Roll. Em outras palavras, estão dizendo que pregar a palavra de Deus já não é mais suficiente. Se isso for verdade, então deveríamos abrir bares para podermos alcançar os beberrões. Deveríamos abrir lojas de artigos eróticos para atrair aqueles que consomem materiais pornográficos. Não deveríamos descer ao nível deles para trazê-los ao Senhor Jesus Cristo? Portanto, não há mal, se o resultado final for bom. Qual o problema de contemporizar um pouco com os padrões de santidade e de separação estabelecidos por Deus se o resultado é que almas serão salvas? Esse tipo de raciocínio é uma das doutrinas de demônios que os cristãos estão aceitando. A mesma Bíblia que operou com sucesso até agora, continuará a operar entre os jovens e os velhos. Quantos cristãos amam o povo de Deus o bastante para dizer: "Basta! Vamos remover esse lixo satânico da igreja e lançá-lo no inferno, onde deve estar"? Você entende que há apenas 10 ou 15 anos atrás essa música maligna nem remotamente seria considerada uma forma adequada de cantar louvores a Deus? Ela seria imediatamente rejeitada nas igrejas. O que estamos testemunhando hoje é a decadência moral e espiritual que está afetando os cristãos, que não têm mais discernimento entre o bem e o mal.
História do Rock and Roll

Nesta seção, veremos rapidamente a história do Rock and Roll. Se você é um cristão e não percebe que o Rock secular é maligno e demoníaco, então é melhor fazer um exame dos seus olhos espirituais, pois está tendo graves problemas. Um problema preocupante na cena do Rock religioso é que muitos dos envolvidos também ouvem o Rock secular. Em alguns concertos, os roqueiros cristãos tocam o Rock secular para "aquecer" a audiência.

Ao ler o histórico do Rock and Roll, observe como Satanás, desde os anos 50, vem degenerando lentamente essa música. Satanás aqueceu lentamente a água em fogo brando até que a música degradou-se e desceu ao nível atual. As informações seguintes foram tiradas de um diagrama chamado História do Rock and Rock - Principais Influências, da Freedom Village USA.
Início do Rock: Meados dos Anos 50 até Meados dos Anos 60

Mensagem: As música e as letras aparentemente inofensivas, promoviam os "bons momentos". Promoviam também a dança em novos estilos. Os "ídolos dos adolescentes" eram adorados pelas moças e todos os rapazes queriam estar na onda. O cenário foi armado para a rebelião pela imagem da "brilhantina". Música: Mistura de "Grandes Bandas" com a poderosa influência física da dança e do "Rhythm and Blues", baseado em ritmos de origem africana. O ritmo era alegre e cativante. As melodias criavam uma estranha atmosfera de "Happy Days" (Dias Felizes).

Principais representantes: Elvis Presley, Chuck Berry, Bill Haley and The Comets, Jerry Lee Lewis, Fats Domino, Little Richard, Platters, Four Seasons, Smokey Robinson and The Miracles, e James Brown.
Invasão Britânica, Música da Gravadora Motown, Música Popular: Década de 60

Mensagem: Introdução ao tema de maior rebelião, que seria a temática da futura música Rock. Promovia a sexo sem compromissos, drogas, rebelião, apresentando-os como diversão inofensiva. Também introduziram falsas religiões, como a Meditação Transcedental. Os grupos de música popular promoviam atitudes e aparências contrárias ao governo e à sociedade vigente.

Música: A influência britânica embruteceu a música americana tirando a ritmo de dança e introduzindo um ritmo mais sincopado. A gravadora Motown contribuiu com os ritmos repetitivos com sua "Soul music" - uma variação do Blues. Principais representantes: Beatles, Beach Boys, The Rolling Stones, The Temptations, Bob Dylan, Peter, Paul and Mary, Supremes, Simon and Garfunkel, Shirelles, Four Tops, e Mamas and Papas .
Acid Rock ou Hark Rock: Fim dos Anos 60 - Início dos Anos 70

Mensagem: Concertos de Rock gigantescos para a promoção do sexo sem compromisso, abuso de drogas e do álcool, e uma atitude do tipo "faça o que der na cabeça". As letras pregavam a rebelião, a falta de moral e de responsabilidades. As drogas ficaram associadas com a música Rock. Início da violência nos palcos. Maior foco nas falsas religiões.

Música: Desenvolveu um efeito mais repetitivo e hipnótico. Mais ritmo, maior volume e mais violência tornaram-se a força dominante das canções. Os grupos destruiam os equipamentos no palco. Início do travestismo e do uso de maquiagem pelos homens.

Principais Representantes: Jimi Hendrix, Janis Joplin, The Doors, The Beatles, The Rolling Stones, Led Zeppelin, Crosby, Stills and Nash, Joan Baez, The Grateful Dead, e Chicago.
Heavy Metal - Década de 70

Mensagem: Sexo, abuso das drogas e nada de restrições morais. As letras promoviam a rebeldia, a violência e a homossexualidade. Inserção de mensagens satânicas camufladas, que só podiam ser ouvidas tocando-se a música do fim para o começo. Além disso, atos sexuais começaram a ser praticados abertamente nas pistas de dança das danceterias.

Música: Aumento nas batidas e no volume. A batida, ou o pulso da música, hipnotiza os ouvintes das letras malignas. Os representantes admitem abertamente suas taras e perversões sexuais e as encenam no palco, contribuindo para a decadência moral e a degradação da sociedade.

Principais Representantes: KISS, Rod Stewart, Bee Gees, The Who, Led Zeppelin, Elton John, Alice Cooper, Village People, Stevie Wonder, Black Sabbath, The Rolling Stones, Eagles, Jethro Tull e Deep Purple.
Rock Teatral Satânico: Fim dos Anos 70 Até o Presente

Mensagem: Muita violência. Satanás não está mais escondendo seus motivos. As letras repudiam abertamente o cristianismo e apresentam o Diabo como a solução. Violência, sexo, rebelião e drogas não são apenas promovidos, mas são encenados no palco. As letras chegam até a promover o suicídio. A MTV coloca as mensagens satânicas nos lares por meio dos vídeos dos concertos de Rock.

Música: Violenta, alta, abrasiva. Tornou-se uma combinação de Discoteca, Hard Rock, e música dos anos 50. A música sintetizada cria um som "robótico", estimulando o poder controlador da música Rock. O Rock transforma-se no veículo mais poderoso por meio do qual Satanás comunica suas mensagens malignas à juventude.

Principais Representantes: KISS, Eagles, Iron Maiden, Cindi Lauper, Black Sabbath, Judas Priest, Van Halen, AC/DC, The Grateful Dead, Michael Jackson, WASP, Prince, Boy George e Alice Cooper.

Para o cristão, Deus diz em sua palavra:

"E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as." (Efésios 5:11).

O Senhor Jesus disse em Mateus 7:18,20:

"Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons... Portanto, pelos seus frutos os conhecereis."

A questão que esses versos trazem à mente é: Que tipo de fruto a música Rock produz? É fácil ver que é um fruto maligno. Essa música demoníaca tem sido o principal veículo por meio do qual Satanás promove o suicídio, o abuso das drogas, a imoralidade, as perversões sexuais (bestialidade, etc.), blasfêmias contra Deus e as coisas sagradas, homossexualidade, ocultismo e satanismo. Deus diz na sua palavra para não sermos participantes das obras infrutíveras das trevas. O Rock and Roll é uma obra infrutífera das trevas e os cristãos não devem tentar imitar aqueles que estão no caminho largo, rumo à destruição. Os cristãos não devem ouvir o Rock secular pois é uma abominação diante de Deus.

A Palavra de Deus também diz:

"Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo." (1 João 2:15-16)

"Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo." (1 Pedro 1:14-16).

"Ora, amados, pois que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus." (2 Coríntios 7:1).

Finalmente, como podem os cristãos buscar a santificação, conforme instrui a Bíblia, se os rapazes usam brincos na orelha, as moças vestem roupas sensuais e aqueles que professam adorar a Deus criam na igreja uma atmosfera de rebelião que mais parece o de uma casa noturna?
Rock Religioso: Um Breve Histórico

"Enfadais ao SENHOR com vossas palavras; e ainda dizeis: Em que o enfadamos? Nisto que dizeis: Qualquer que faz o mal passa por bom aos olhos do SENHOR, e desses é que ele se agrada, ou, onde está o Deus do juízo?" (Malaquias 2:17)
"E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus." (Romanos 12:2). "E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará." (Mateus 24:12)

O mesmo espírito do Rock, que inclui o espírito de rebelião, o espírito da imoralidade, das perversões, e o espírito da morte está agora sendo trazido às igrejas sob o disfarce do Rock religioso.

Lembrando do exemplo do sapo colocado na bacia com água fria que é levada ao fogo branco: o Diabo primeiro acendeu o fogo brando quando introduziu a música cristã contemporânea nas igrejas. Existiam muitas áreas cinzentas na questão da música e as igrejas começaram lentamente a assimilar o estilo e o som da música Rock do Diabo. O fogo branco continuou a aquecer lentamente a água. Em seguida, Satanás lentamente introduziu o Rock mais pesado nas igrejas. Quando esse Rock religioso ganhou aceitação, o Diabo aumentou a intensidade das chamas do fogo brando. Ele então trouxe o Heavy Metal religioso, o Acid Rock religioso, New Wave religioso, e o Punk Rock religioso. Como tudo foi feito lentamente, essa música demoníaca ganhou aceitação. Hoje, a água está fervendo e muitas pessoas nas igrejas engoliram a enganação. Os pastores e outros líderes, que deveriam ter um pouco mais de discernimento, trazem esse lixo para suas igrejas, acreditando na enganação que Deus pode usar essa música maligna para sua glória.
A Perda do Discernimento

Uma das causas para a falta de discernimento atualmente é a televisão. Logicamente, a tecnologia da televisão não é má em si mesma. No entanto, os programas da TV são ou energizados por Deus ou por Satanás. A maioria dos programas apresenta uma moral, um estilo de vida e atitudes que são contrárias e opostas à Palavra de Deus. A televisão está agora glorificando o mal, os assassinatos, a violência, o ocultismo, a imoralidade e as perversões, ao mesmo tempo em que o cristianismo e seus valores são ridicularizados. Hoje, milhões de incrédulos sentam-se diante da TV, rindo e zombando de tudo aquilo que antes era considerado sagrado. A tragédia disso tudo é que os cristãos ficaram cegos e empedernidos, passando muitas horas sentados diante da TV, recebendo ministração do Diabo. Enquanto os cristãos assistem a esses programas, que no fundo do coração sabem que não agradam a Deus, lentamente afastam-se do Senhor e aproximam-se mais do mundo.

As crianças também não são poupadas, pois o enredo de muitos desenhos animados está baseado no ocultismo. Além da TV, outros fatores que contribuem para a perda do discernimento são: pouca ou nenhuma comunhão diária com o Senhor, com oração e leitura da Bíblia. Deus adverte em sua palavra:

"Eis que vós confiais em palavras falsas, que para nada vos aproveitam. Porventura furtareis, e matareis, e adulterareis, e jurareis falsamente, e queimareis incenso a Baal, e andareis após outros deuses que não conhecestes, e então vireis, e vos poreis diante de mim nesta casa, que se chama pelo meu nome, e direis: Fomos libertados para fazermos todas estas abominações?" (Jeremias 7:8-10)

Deus não nos libertou do pecado e da condenação eterna para participarmos de abominações. Ele deseja que seu povo viva em santidade, separado da corrupção que há no mundo. Há uma necessidade urgente de reavivamento, mas como ele poderá ocorrer se estivermos amando a televisão e a música Rock?
Os Frutos do Rock Religioso

Esta é uma lista parcial do fruto maligno da música Rock religiosa. De modo algum é uma lista completa.

Conformidade: Há uma clara pressão para a conformação com o mundo em vez da separação daquilo que não agrada a Deus. O Rock religioso é uma imitação barata do Rock secular. Esses roqueiros cristãos tocam no mesmo volume ensurdecedor que os seculares e criam em seus concertos a mesma atmosfera dos bares noturnos e das danceterias, com luzes coloridas, fumaça e outros efeitos especiais. Eles pouco percebem isso, mas identificando-se e imitando a cena secular do Rock, estão indiretamente dando sua aprovação a esse tipo de moralidade e de estilo de vida. Como resultado, são em um caminho de destruição para as outras pessoas. Nota: A razão pela qual a música Rock é tocada em volume tão alto é por que em níveis de decibéis muito elevados, a consciência e as inibições da pessoa são amortecidas. O indivíduo pode ser mais facilmente programado para aceitar os padrões de Satanás, em vez dos padrões de Deus.

O que Deus diz sobre essa contemporização e comunhão com as trevas? Em 2 Coríntios 6:14-17 a Bíblia diz:

"Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei; e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-poderoso."

Após ler isso, pode-se ver que apartar-se do mal não é a imitiação barata e a macaquice retratadas na cena do Rock religioso. Novamente, onde está o discernimento entre o bem e o mal dentro da igreja?

Rock Secular: Outro fruto do Rock religioso é que ele leva seus seguidores de volta ao envolvimento com o Rock secular. Muitos jovens cristãos ouvem estações de rádio que transmitem Rock secular e possuem CDs de Rock secular além da coleção de CDs de Rock religioso. Como já foi mencionado, nos concertos de Rock cristão, algumas bandas tocam canções de grupos de Rock seculares para "aquecer" a audiência. Isso expõe os jovens cristãos a todo tipo de sujeira demoníaca e certamente os influencia de uma forma negativa. O perigo é que o Rock religioso leva as pessoas para longe de Deus, da santificação e do estilo de vida separado do mundo, exatamente como o Rock secular os leva para perto do Diabo. Deus diz claramente em Tiago 4:4:

"Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus."

Por Que um Cristão Ouviria o Rock Secular?

"Porquanto não se executa logo o juízo sobre a má obra, por isso o caração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para fazer o mal." (Eclesiastes 8:11)

... ou, talvez, eles não amem realmente ao Senhor Jesus..., ou talvez não sejam realmente nascidos de novo, mas meramente professam serem cristãos.

Como já mencionamos, a Bíblia diz que Satanás foi criado como uma bela criatura musical (Ezequiel 28:13). Como ele tem um talento musical natual excepcional, é tolice imaginar que não usaria a música para enganar e seduzir.

O Rock vem em um pacote de oferta! O ouvinte não recebe apenas a música. Com o tempo, mais e mais dos seguintes frutos malignos manifestam-se em sua vida:

- Rebeldia - Desejo de suicidar-se - Homossexualidade - Violência - Imoralidade - Blasfêmia - Drogas e Álcool - Ocultismo - Mundanismo

A música influencia (de forma negativa, não-bíblica) a moral, os valores e a filosofia de vida de uma pessoa. Como faz isso? A música mesmeriza (hipnotiza) o ouvinte enquanto Satanás põe suas mensagens, sua moral e seus padrões na mente da pessoa, diretamente, ou de forma camuflada.
Não Existem Grupos Neutros de Rock Secular

Não existem grupos de Rock totalmente neutros e adequados para o cristão ouvir. Por que? Todo grupo de Rock direta ou indiretamente tem canções cujas letras encorajam um ou mais dos seguintes comportamentos: rebelião, imoralidade, uso de drogas, consumo de bebidas alcólicas, suicídio, violência, e blasfêmias contra Deus. Cite um grupo de Rock que não encoraje alguma forma de mal de acordo com os padrões da Palavra de Deus! Não existe.

A música Rock produz: Piedade e pureza, um desejo de estar com Cristo, um coração contrito e arrependido pelos pecados, ou uma atmosfera cristã honrosa? ... Não! Se o Rock não faz nada disso, mas faz o contrário, por que o cristão deveria ouvir essa música?

O seguinte é uma citação de David Wilkerson, extraída do seu livro Set The Trumpet to Thy Mouth (Põe a Trombeta à Tua Boca). Ele está falando sobre o problema do Rock religioso, mas também aplica-se aos cristãos que participam do Rock secular. "Somente quem despreza o Senhor Jesus abraçaria aquilo que ele detesta. Somente os rebeldes poderiam comprar um de seus discos. Somente quem tem o coração dividido poderia ir a um desses concertos e assistir aos vídeos. Os vídeos são demoníacos e estão repletos de blasfêmias. O espírito de confusão e de mistura no qual o Rock nasceu irá dominá-lo lentamente e, sem que perceba, vai levá-lo aos altares de Baal. Ria se quiser, mas considere-se avisado." (pg 113, 114)

Defesa Cega: Alguns roqueiros cristãos ficam bravos quando ouvem alguém falar contra a música demoníaca que amam de coração. Ah, se eles apenas defendessem, amassem e servissem ao Senhor Jesus Cristo com a mesma devoção que têm por essa música! Deus disse, "Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz." (Efésios 5:8) "Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, remindo o tempo, porquanto os dias são maus." (Efésios 5:16-17)

Rebelião: Muitos que estão envolvidos na cena do Rock religioso recusam-se a dar ouvidos à repreensão e correção das Escrituras. Eles endureceram sua cerviz e decidiram em suas mentes não abandonar a música demoníaca. Não parecem estar preocupados com o fato de essa música ser como vômito na mesa do Senhor e uma abominação diante dele.

"Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada. Quem não me ama não guarda as minhas palavras. (João 14:23-24a)

"Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor, e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei." (2 Coríntios 6:17)

Os cristãos são um povo peculiar e Deus deseja que vivamos de forma santa, piedosa e separada neste mundo ímpio.

"Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa e piamente." (2 Tito 2:12)

O Propósito da Música

Por que os roqueiros religiosos não somente desejam ter a mesma a aparência, produzir a mesma música, mas também desejam ser aceitos pelo mundo? Querem tocar na MTV e ter suas canções na listas das mais tocadas. O Senhor Jesus Cristo disse em João 15:19-20:

"Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia. Lembrai-vos da palavra que vos disse: Nâo é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavras, também guardarão a vossa."

Também lemos em 2 Timóteo 3:12:

"E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições."

Esses versos nos dizem que os cristãos não serão amados e aceitos pelo mundo, pois o mundo em geral rejeita o Senhor Jesus Cristo.

"E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más." (João 3:19)

À luz da Palavra de Deus, podemos concluir que a música que adora e exalta o Senhor Jesus Cristo será rejeitada pelo mundo. A música que chama as pessoas ao arrependimento, à santidade, à separação, e a uma total consagração ao Senhor Jesus Cristo não será popular aos olhos de um mundo que rejeita a Cristo.

Agora, qual é o propósito da música? Ela tem dois propósitos: 1) Adorar e glorificar a Deus; 2) Edificar e fortalecer os cristãos. A Palavra de Deus diz:

"Falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração." (Efésios 5:19)

"A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao Senhor com graça em vosso coração." (Colossenses 3:16)

A música não tem necessariamente o propósito de trazer os perdidos para Cristo, mas é uma forma de adoração e louvor a Deus. Na verdade, a música sacra não é destinada para o mundo. Ela deve ser usada pelos filhos de Deus para adorar e louvar a Deus. Deus não prescreveu que a música deve ser usada para ganhar os perdidos; para isso prescreveu a pregação.

"Visto como na sabedoria de Deus o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação." (1 Coríntios 1:21)

O propósito da música sacra não é atrair os não-salvos para o Senhor Jesus. É claro que, às vezes, ela pode atrair os não-salvos, mas não é esse seu propósito. Seu propósito é adorar e louvar a Deus, e não ser usada como um instrumento para alcançar os perdidos. Os perdidos devem ser alcançados com a pregação da Palavra de Deus.

Como a música é uma forma de adoração, fica corrompida quando é misturada com a carnalidade. A adoração a Deus precisa ser feita com santidade e pureza. Vincular a adoração a um estilo de Rock rebelde, sexual e demoníaco é pura blasfêmia. Deus sempre exigiu justiça e santidade de seus adoradores e esses padrões não foram reduzidos. Da mesma forma como era uma abominação oferecer ao Senhor em sacrifício um cordeiro doente ou defeituoso, assim também é uma abominação oferecer-lhe uma música carnal, mundana, sexual e demoníaca como oferta de louvor.
Uma Negação Profana

"Confessam que conhecem a Deus, mas negam-no com as obras, sendo abomináveis, e desobedientes, e reprovados para toda a boa obra." (Tito 1:16)

Os roqueiros cristãos fazem muitas profissões de fé sobre o Senhor Jesus Cristo, mas assim que a música começa, ocorre uma transformação, pois são tomados pelo espírito de Elvis Presley. O Senhor Jesus advertiu em Mateus 7:21-23:

"Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em tem nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? Então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade."

Podemos ver então que ser um cristão é muito mais do que simplesmente falar no nome de Jesus. O Senhor Jesus dirá àqueles que estiveram na iniqüidade para se apartarem dele, pois não os conhece.

Na cena do Rock religioso existem muitas pessoas que professam o nome de Jesus mas o negam pelas obras. Eles sobem no palco ou na plataforma e falam sobre o Senhor Jesus Cristo, porém tocam uma música que está associada com a rebelião, com a imoralidade sexual, com as perversões e com o niilismo. Os rapazes usam jaquetas e calças justas, no estilo de garanhões sado-masoquistas, usam brinco na orelha, cabelos compridos e maquiagem, e as moças usam roupas apertadas, que realçam a sensualidade. Todas essas ações contribuem para negar aquilo que professam.

Na comunicação, há uma parte verbal e uma não-verbal. Para que a mensagem seja compreendida claramente, tanto a comunicação verbal quanto a não-verbal precisam estar em harmonia. Se houver uma contradição entre as duas formas de comunicação, as pessoas acreditarão primeiro na comunicação não-verbal. Esses roqueiros cristãos fazem verbalmente suas profissões de fé; "Confessam que conhecem a Deus"; mas na comunicação não-verbal, passam uma mensagem diferente, de rebelião, de contemporização com o mundo e de sexualidade.

"Mas negam-no com as obras, sendo abomináveis e desobedientes, e reprovados para toda a boa obra." (Tito 1:16).

Quando eles afirmam estarem pregando o Senhor Jesus Cristo, na verdade não estão. O que estão realmente fazendo é tomar o santo nome do Senhor em vão. Eles envergonham o nome do Senhor quando o vinculam com algo que não é coerente com sua natureza santa.

O Julgamento Virá Sobre o Rock Religioso

Esta é uma Advertência Para Qualquer Pessoa Que Esteja Envolvida no Rock Religioso:

* Você está tocando uma música demoníaca que é uma abominação a Deus.
* Está prejudicando a si mesmo e ao povo que foi comprado com o precioso sangue de Cristo.

O Senhor Jesus adverte:

"Mas, qualquer que escandalizar um destes pequeninos, que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse na profundeza do mar." (Mateus 18:6)

Se você realmente ama o Senhor Jesus, esqueça essa música maligna. Se não fizer isso, o julgamento de Deus certamente cairá sobre sua vida.

Deus sempre julgou o pecado e a rebelião no passado, e fará isso novamente. Você quer o julgamento de Deus em sua vida?

"Mas, quanto àqueles cujo coração andar conforme o coração das suas coisas detestáveis, e as suas abominações, farei recair nas suas cabeças o seu caminho, diz o Senhor DEUS". (Ezequiel 11:21)

"Mas, desviando-se o justo da sua justiça, e cometendo a iniqüidade, fazendo conforme todas as abominações que faz o ímpio, porventura viverá? De todas as justiças que tiver feito não se fará memória; na sua transgressão com que transgrediu, e no seu pecado com que pecou, neles morrerá." (Ezequiel 18:24)

A Bíblia adverte:

"Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus." (Tiago 4:4)

A escolha é sua: obedecer à Palavra de Deus, ou ser um rebelde.

"Ah SENHOR, porventura não atentam os teus olhos para a verdade? Feriste-os, e não lhes doeu; consumiste-os, e não quiseram receber a correção; endureceram as suas faces mais do que uma rocha; não quiseram voltar." (Jeremias 5:3)

"Agora depressa derramarei o meu furor sobre ti, e cumprirei a minha ira contra ti, e te julgarei conforme os teus caminhos, e porei sobre ti todas as tuas abominações. E não te poupará o meu olho, nem terei piedade de ti, conforme os teus caminhos, assim te punirei, e as tuas abominações estarão no meio de ti; e sabereis que eu, o SENHOR, é que firo." (Ezequiel 7:8-9)

"Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo!" (Isaías 5:20)

"Porque qualquer homem da casa de Israel, e dos estrangeiros que peregrinam em Israel, que se alienar de mim, e levantar os seus ídolos no seu coração, e puser o tropeço da sua maldade diante do seu rosto, e vier ao profeta, para me consultar por meio dele, eu, o SENHOR, lhe responderei por mim mesmo. E porei o meu rosto contra o tal homem, e o assolarei para que sirva de sinal e provérbio, e arrancá-lo-ei do meio do meu povo; e sabereis que eu sou o SENHOR." (Ezequiel 14:7-8)

Advertência aos Pastores

"...Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração; mas vós a tendes convertido em covil de ladrões." (Mateus 21:13)

Esse verso tem um significado real com relação ao Rock religioso. Deus não quer que seu templo torne-se um covil de ladrões. Jesus disse: "mas vós a tendes convertido", referenciando o fato de os líderes religiosos permitirem que o templo, construído para ser uma casa de oração, se tornasse um covil de ladrões.

Os líderes e pastores da igreja têm hoje uma tremenda responsabilidade e precisarão prestar contas sobre como pastorearam a igreja que estava sob sua liderança. Se o pastor permite a entrada da leviandade e da impiedade, isso afetará o povo que foi comprado com o precioso sangue de Cristo de uma maneira negativa, causando mundanismo, carnalidade e afastamento. Por outro lado, se ele mantiver o mal fora da igreja e buscar fortalecer o povo com a Palavra de Deus, a igreja crescerá e amadurecerá. "Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue" (Atos 20:28)

A tragédia da cena do Rock religioso é que essa música demoníaca nunca teria entrado nas igrejas se os pastores e líderes tivessem obedecido a Deus e fechado a porta para esse mal.

Os versos seguintes são uma advertência aos pastores e líderes que não encaram seu trabalho com a devida seriedade e que não estão comprometidos com o fortalecimento e a proteção da igreja de Deus:

"Os seus sacerdotes violentam a minha lei, e profanam as minhas coisas santas; não fazem diferença entre o santo e o profano, nem discernem o impuro do puro; e de meus sábados escondem os seus olhos, e assim sou profanado no meio deles." (Ezequiel 22:26)

"E não guardastes a ordenança a respeito das minhas coisas sagradas; antes vos constituístes, a vós mesmos, guardas da minha ordenança no meu santuário... Contudo serão ministros no meu santuário, nos ofícios das portas das casas, e servirão à casa; eles matarão o holocausto, e o sacrifício para o povo, e estarão perante eles, para os servir. Porque lhes ministraram diante dos seus ídolos, e fizeram a casa de Israel cair em iniqüidade; por isso eu levantei a minha mão contra eles, diz o Senhor DEUS, e levarão sobre si a sua iniqüidade. E não se chegarão a mim, para me servirem no sacerdócio, nem para se chegarem a alguma de todas as minhas coisas sagradas, às coisas que são santíssimas, mas levarão sobre si a sua vergonha e as suas abominações que cometeram." (Ezequiel 44:8,11-13)

Raciocínios Perigosos...

Argumento 1: O Rock cristão não pode ser errado. Veja todas as pessoas que vão à frente nos concertos. Veja como Deus fez essas bandas tornarem-se famosas.

Resposta: Esses pretensos resultados não significam que Deus esteja por trás disso. O fim não justifica os meios. Podem ocorrer conversões sinceras nesses concertos, pois Deus sempre honra sua Palavra, independente das circunstâncias em que ela é anunciada. No entanto, uma coisa é ser salvo e outra é crescer e amadurecer em uma vida cristã vitoriosa. O Senhor Jesus disse em Mateus 7:15,21-23

"Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade."

O Senhor Jesus também disse que muitos serão enganados por falsos profetas e falsos cristos.

"E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos se esfriará. Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos." (Mateus 24:11-12,24)

Nota: Um apelo em um concerto de Rock religioso pode ser comparado ao apelo de um lobo para que as galinhas venham à frente!!

Argumento 2: Jesus envolveu-se com os pecadores.

Resposta: O Senhor Jesus nunca entrou em um covil da iniqüidade nem copiou os modos dos ímpios. A Bíblia diz:

"Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, e feito mais sublime do que os céus." (Hebreus 7:26)

"Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo." (João 17:14)

* Usamos drogas para alcançar os viciados para Cristo?
* Usamos linguagem obscena para alcançar aqueles que praguejam?
* Roubamos para nos identificar com os ladrões?
* Produzimos material pornográfico para apresentar Cristo ao pornógrafo?

Por que então deveríamos usar uma música carnal para conseguir chamar a atenção do mundo? O absurdo desses métodos é óbvio. Portanto, esperamos que você possa ver como é errado usar uma música carnal e mundana para apresentar uma mensagem santa a um mundo que está sem Cristo.

Argumento 3: Precisamos usar a música Rock, pois é o único modo de alcançarmos a nova geração.

Resposta: A Bíblia responde a isso diretamente em 2 Coríntios 6:14-17:

"Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei, e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso." Além disso, "Visto como na sabedoria de Deus o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação." (1 Coríntios 1:21)

A Palavra de Deus não diz que devemos sair, copiar os modos ímpios do mundo e usá-los na evangelização. Muito pelo contrário, diz que devemos nos separar da impiedade que há no mundo. A Palavra de Deus diz também em Tiago 4:4:

"Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus."

Advertências

O principal axioma da avaliação da música é que não existe música amoral. A música é boa ou maligna. Deus diz que somos responsáveis por tudo que dizemos, fazemos ou pensamos. A Bíblia diz:

"Mas eu vos digo que toda a palavra ociosa que os homens disserem hão de dar conta no dia do juízo." (Mateus 12:36). "Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal." (2 Coríntios 5:10).

O Rock cristão é nocivo à igreja e leva o povo de Deus à sensualidade e à contemporização. Se você ama sinceramente o Senhor Jesus Cristo e está envolvido com essa música, então obedeça ao Senhor e abandone tudo o que for impuro.

Agora temos: Rock cristão, New Wave cristão, Heavy Metal cristão, Punk cristão. O que esses rebeldes vão querer em seguida? Drogas cristãs, feitiçaria cristã, pornografia cristã???

Que tipo de fascínio o Rock religioso exerce sobre as pessoas, que elas não querem abandonar essa música demoníaca? Como uma pessoa pode confessar que ama a Deus e ao mesmo tempo abraçar o mal? O quanto o Rock religioso precisará ainda descer para que o povo de Deus acorde do sono profundo?

"Confessam que conhecem a Deus, mas negam-no com as obras, sendo abomináveis, e desobedientes, e reprovados para toda a boa obra." (Tito 1:16)

"Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo. Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão o sofrereis... Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo. E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros de justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras." (2 Coríntios 11:3-4,13-15)

"Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo... E, contudo, também estes, semelhantemente adormecidos, contaminam a sua carne, e rejeitam a dominação, e vituperam as dignidades.... Ai deles! porque entraram pelo caminho de Caim, e foram levados pelo engano do prêmio de Balaão, e pereceram na contradição do Coré. Estes são manchas em vossas festas de amor, banqueteando-se convosco, e apascentando-se a si mesmos sem temor: são nuvens sem água, levados pelos ventos de uma para outra parte; são como árvores murchas, infrutíferas, duas vezes mortas, desarraigadas; Ondas impetuosas do mar, que escumam as suas mesmas abominações; estrelas errantes, para os quais está eternamente reservada a negrura das trevas." (Judas 4,8,11-13)

Pelas Suas Próprias Palavras os Roqueiros Cristãos se Condenam

"E te deixaste enredar pelas próprias palavras; e te prendeste nas palavras da tua boca." (Provérbios 6:2)

Amy Grant

"Quero jogar para valer. Quero estar no mesmo nível profissional que os artistas em todas as áreas da música. Gosto de ouvir Billy Joel, Kenny Loggins e os Doobie Brothers. Por que não? Quero ser a ponte entre o Rock cristão e o pop." (Time, março/85)

"Amy Grant também é pragmática com relação à sua carreira. Sobre as capas dos discos e as fotos publicitárias, que a retratam como uma jovem mulher atraente e sensual, a estrela da música pop cristã diz: 'Não uso a sensualidade para vender discos. Mas o que é ser sensual? Para mim nunca foi tirar a blusa ou mostrar a língua. Acho que as moças cristãs nestes anos oitenta são muito sensuais.' ... 'Quando ele [o cantor Prince] começou a simular atos sexuais no palco, fiquei um pouco contrangida', diz a cantora de 24 anos, sentada, tomando sol ao lado da piscina do hotel Universal City. 'Deixei de assistir. Quando ele começou a movimentar sua região genital, levando-a para baixo do chuveiro florescente', continua ela em seu sotaque sulista, 'pensei que se alguém quiser fazer isso em casa, tudo bem. Se eu quiser fazer isso em casa, tudo bem. Mas não quero ver Prince fazendo isso. Não me agrada vê-lo criar a ilusão que está se masturbando.'" (Rolling Stone - junho de 1985)

Stryper

"O cabelo é longo e os gritos são altos e claros. Roupas apertadas, brincos nas orelhas. Independente da nossa aparência, vamos sempre louvar o nome dele. E, se você crê, também deve fazer o mesmo." (Stryper, de Lound 'n' Clear)

"Se você tivesse de adivinhar o nome deles, diria 'Discípulos do Diabo', ou 'Os Belzebus'. Ou, talvez, 'As Abelhas Assassinas', que é o que os quatro rapazes no palco parecem com suas roupas de couro apertadas, com listas brilhantes pretas e amarelas. Muita maquiagem, cabelos compridos e correntes suficientes para amarrar metade dos elefantes na África completam a figura do grupo de Rock Heavy Metal [pauleira] moderno. Até mesmo a música, o som de um enxame furioso de insetos, amplificado eletronicamente milhares de vezes, é coerente com a imagem." (Time, março/85)

Banda REZ

"Um novo álbum, Between Heaven 'N' Hell (Entre o Céu e o Inferno), o oitavo, recentemente chegou às lojas, e com ele, a REZ inicia sua campanha direcionada a conquistar a grande audiência do Rock secular... A banda REZ fez diversos outros lances destinados a facilitar sua transição para o mercado secular. Fez um acordo com uma firma de marketing e de agenciamento empresarial por um período de teste de quatro meses. Assinou com a respeitável firma DMA (Agência Empresarial Diversificada), de Detroit, que estará cuidando e agendando os concertos. (Outros clientes importantes da DMA incluem os Scorpions, Quiet Riot e Autograph).... Para fazer isso, Rez está bem ciente que precisará 'tocar obedecendo certas regras', como diz Herrin. Eles não farão mais apelos nos concertos, e reduzirão as referências ao Senhor. Em geral, querem apresentar-se a si mesmos, primeiro e antes de tudo, como uma banda de Rock" (Contemporary Christian Magazine, abril de 1986)

Michael W. Smith

"As pessoas que vêm aos concertos estão prontas para ouvir o Rock. Elas vêm e querem ter bons momentos. Alguém precisa vir e pregar para elas, pedir que façam uma decisão no final, mas eu não tenho essa vocação. A moçada que vejo quer apenas se divertir." (CCM, junho de 1986)

Steve Taylor

"Fui convidado a comparecer na entrega do Dove Awards no ano passado e ainda me sinto pouco à vontade com aquilo. Realmente aquele não é meu lugar, pois não me comparo com os principais representantes da música Gospel. Claro, sou um cristão e isso influencia o modo como componho as canções, mas isso é apenas ser honesto, todo mundo força um ponto de vista." (CCM, fevereiro de 1986)

Leon Patillo

"Vou tomar uma posição. Vou fazer algo diferente. Vou fazer o mundo se levantar e dizer: "Ei, você viu aquele cara?' E será de uma forma perfeita. Quando eles abrirem a boca ou seus corações, e disserem 'Ele é incrível!', eu os farei engolir Jesus goela abaixo." (CCM, outubro de 1985)

Mylon LeFevre

"Nossa música é o Rock and Roll. Nem dizemos a ninguém que seja música cristã contemporânea... Somos uma banda de Rock. Nosso som é Rock, nossa aparência é do Rock, e no fim da noite cheiramos como o Rock.... Nosso ministério é uma apresentação de Rock and Roll. Não é possível separar as duas coisas. Faço Rock and Roll. Tenho uma boa atuação, distraio as pessoas, passo bons momentos com elas... Uma das coisas que Mylon pode estar referenciando é o novo álbum que deverá ser lançado pela CBS. Ele e a banda querem o nome 'Look Up'. É um álbum cristão, mas você precisa conhecer a Palavra para saber isso. A CBS não conhece. Todas as músicas, todas as notas, são tocadas por cristãos nascidos de novo e cheios do Espírito Santo. Tivemos bons momentos durante a gravação. É um disco ungido e tem uma boa mensagem, embora seja superficial. Realmente evitamos certas palavras e frases, você sabe. O disco fala apenas sobre os temas." (CCM, março de 1986)

Stryken

"'Existem muitos rapazes inteligentes por aí que gostam do Heavy Metal, mas já estão cansados de ouvir todas essas bandas vulgares da Califórnia até o Zimbabwe falarem sobre o quanto bebem, o quanto se drogam e com quantas mulheres trepam.' Essa não é exatamente uma linguagem apropriada para a igreja, mas os integrantes do Stryken então confessam que não são uma banda para o púlpito, mas para as ruas." (CCM, março de 1987)

Conclusão

"Porque muitos há, dos quais muitas vezes vos disse, e agora também digo, chorando, que são inimigos da cruz de Cristo, cujo fim é a perdição; cujo Deus é o ventre, e cuja glória é para confusão deles, que só pensam nas coisas terrenas." (Filipenses 3:18-19)

"A sua garganta é um sepulcro aberto; com as suas línguas tratam enganosamente; peçonha de áspides está debaixo de seus lábios; cuja boca está cheia de maldição e amargura. Os seus pés são ligeiros para derramar sangue. Em seus caminhos há destruição e miséria; e não conheceram o caminho da paz. Não há temor de Deus diante de seus olhos." (Romanos 3:13-18)

Fique atento quando a música tiver uma das seguintes características; você pode estar sendo exposto às influências demoníacas:

*

Sensualidade proposital. Inclui roupas sensuais, movimentos eróticos, flertes e olhares maliciosos, voz provocante destinada a estimular o público.

*

Roupas fora do padrão de modéstia recomendado na Bíblia: Inclui roupas sensuais, que revelam partes do corpo e que sugerem um estilo de vida que não é de santidade.
*

Linguagem não-edificante: Inclui histórias, piadas e letras com duplo sentido ou com insinuações sexuais.
*

Música extremamente alta: Níveis ensurdecedores que são prejudiciais à audição e dificultam a compreensão das letras.

Este artigo termina com uma nota de tristeza. Lamentamos a tragédia da perda do discernimento que está ocorrendo no corpo de Cristo. Mostramos como essa música maligna infiltrou-se gradualmente na igreja com a bênção dos líderes cristãos, até o ponto em que muitas congregações não conhecem mais a diferença entre o sagrado e o profano. Mostramos na história do Rock secular, o declínio e a destruição dos valores da decência e de moralidade na sociedade. A igreja experimentará essa mesma decadência? A igreja vai abandonar seu papel de sal e luz e vestir as mesmas roupas da escuridão e da sensualidade que o mundo veste? Os perdidos estão precisando desesperadamente de ver algo diferente no cristianismo. Quando o cristão reduz seus padrões e caminha de mãos dadas com os perdidos no mesmo caminho largo, os perdidos só podem rir e zombar da hipocrisia. O fato de milhões estarem perecendo no Inferno deve nos fazer examinar nossos caminhos e nossos métodos de evangelismo. No nosso coração, só há amor por aqueles que sinceramente querem alcançar uma geração perdida para o Senhor Jesus Cristo. No entanto, quando os cristãos buscam a conformação com este mundo ímpio, em vez de buscarem os padrões de justiça e de santidade de Deus, isso é motivo para muita preocupação. Assim sendo, procuramos oferecer neste estudo uma repreensão fraternal para aqueles que, em nossa opinião, estão sendo mal-encaminhados. Pedimos que o leitor medite nas Escrituras, nas informações e nos argumentos apresentados neste texto. Nossa oração é que Deus o tire da lama e da contaminação deste mundo e o leve a caminhar de forma mais íntima com ele próprio, por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor.

(Copie e distribua livremente, como achar necessário)
Autores: Alan Yusko e Ed Prior. Visite o site "Heaven Soon",

Leia também o artigo As Raízes Satânicas da Música Rock

Recomendamos também estes sites sobre o assunto:

Dial-the-Truth Ministries artigos sobre Música Rock e Música Cristã Contemporânea. Não deixe de ler o artigo "Christian Rock: Blessing or Blasphemy?" Seus cabelos ficarão arrepiados.

The Jeff Godwin Archieve Contém muitos artigos sobre Música Rock e Música Cristã Contemporânea. Assista ao vídeo "What's Wrong With Christian Rock?" (Uma excelente exposição de uma hora de duração, ilustrada com clipes de músicas e entrevistas com artistas da Música Cristã Contemporânea, como Amy Grant, Michael Smith, Stryken, Mylon LeFevre, Banda REZ, Petra e vários outros.) Você ficará chocado!!
-------------------------------------------------------------------------------------

As Raízes Satânicas da Música Rock
Autor: Donald Phau

Nota: Em todo este artigo, a Dial-the-Truth acrescentou alguns comentários e fez algumas adições. Nossos comentários aparecerão em azul.

Hoje, em quase todo concerto de rock "heavy-metal" o público é estimulado a praticar estupros e assassinatos em nome de Satanás. Letras como esta são bem típicas:

"Viemos para tomar seus corpos,
Para estuprar suas almas indefesas,
Para transformá-los em criaturas
Sem misericórdia e frias.
Nós os forçaremos a matarem seus irmãos,
A beberem o sangue e a comerem os miolos,
A retalharem a carne e a chuparem os ossos
Até que todos fiquem insanos.
Somos pestilentos e contaminamos.
As legiões de demônios do mundo prevalecem."
"Demons" [Demônios], de Rigor Mortis

Qualquer pai ficaria horrorizado e chocado ao saber que seus filhos e filhas estão ouvindo uma música dessas. Pode ser que alguns deles pensem consigo mesmos, "Se pudéssemos voltar aos velhos tempos, com a música dos Beatles". As pessoas não imaginam que foi com a aparentemente inocente música dos Beatles, que a maior parte do problema começou.

A música Rock eletrônica moderna, inaugurada no início dos anos 60, é, e sempre foi, um empreendimento conjunto da inteligência militar britânica e das seitas satânicas. De um lado, os satanistas controlam os principais grupos de música Rock por meio das drogas, do sexo, das ameaças de violência, e até do assassinato. Do outro lado, a publicidade, os tours, e as gravações são financiadas por empresas conectadas com os círculos de inteligência militar britânicos. Ambos os lados estão intimamente interconectados com o maior negócio do mundo, o tráfico internacional de drogas.

Os assim chamados "astros do Rock" são na verdade marionetes patéticos presos em um esquema muito maior. No momento em que recebem as primeiras verbas de direitos autorais, os grupos já estão profundamente imersos nas drogas. Por exemplo, "astros" muito admirados, como John Lennon, dos Beatles, e Keith Richards, do The Rolling Stones, eram viciados em heroína. Richards precisou fazer uma transfusão e substituir todo seu sangue contaminado para conseguir passar em um exame e obter seu visto para ir aos Estados Unidos. [Tony Sanchez, Up and Down with the Rolling Stones, pg 319]

Os "astros do Rock" são também criações totalmente artificiais da mídia. Sua imagem pública, bem como sua música, é fabricada atrás dos bastidores pelos controladores do esquema. Por exemplo, quando os Beatles foram aos EUA pela primeira vez em 1964, foram recebidos no aeroporto por centenas de adolescentes histéricas. A imprensa nacional imediatamente anunciou que a "Beetlemania" tinha conquistado os Estados Unidos. No entanto, os promotores dos Beatles tinham transportado as adolescentes de uma escola de meninas no bairro do Bronx, em Nova York. Elas foram contratadas para recepcionar os Beatles com gritos e delírios.

O dinheiro dos grupos de Rock dos anos 60, que em alguns casos chegava a centenas de milhões de dólares, também estava sob o controle dos promotores conectados com as multidões. De 1963 a 1970, os The Rolling Stones ganharam mais de 200 milhões de dólares, porém os membros do grupo estavam à beira da falência. Nenhum deles tinha a menor idéia de para onde ia o dinheiro.

Entre 1963 e 1964 o Beatles e os Rolling Stones tomaram a cultura ocidental. Essa invasão iniciada a partir da Inglaterra foi bem planejada e executada no momento certo. Os EUA tinham acabado de sofrer com o choque do assassinato do Presidente John Kennedy, enquanto que nas ruas o movimento de massa pelos direitos da cidadania tinha feito uma grande passeata na capital Washington, liderada por Martin Luther King, com 500.000 pessoas. A contracultura do Rock seria usada como uma arma para destruir esses movimentos políticos.

Posteriormente, em 1968 e 1969, anos em que ocorreram as greves de estudantes e trabalhadores nos EUA e na Europa, grandes concertos de Rock ao ar livre foram usados para conter o crescente descontentamento da população. Os concertos de Rock foram planejados como um meio de fazer aliciamento em massa para a contracultura saturada das drogas e do sexo sem compromisso. Para os milhões que iam a esses concertos, milhares de comprimidos da droga alucinógena LSD, estavam gratuitamente disponíveis. Essas drogas eram secretamente colocadas em refrigerantes como Coca-Cola, tornando milhares de vítimas incautas em psicóticos selvagens. Muitas dessas vítimas cometeram o suicídio.

Menos de meio século atrás, nossas filhos estudavam violino e piano, aprendendo a música dos grandes compositores eruditos, como Bach, Mozart e Beethoven. Como mostraremos, as mesmas companhias de discos que hoje promovem o Rock "pauleira" satânico executaram operações secretas para destruir a herança musical dos grandes compositores clássicos.
Nos últimos trinta anos, a civilização ocidental esteve sob a mira de um plano deliberado de guerra cultural, com o propósito de eliminar a herança cultural judaico-cristã. O sucesso desse plano precisa ser impedido. Para que o leitor possa combater melhor esse mal, voltaremos em mais de trinta anos no tempo, quando aqueles quatro rapazes ingleses inocentes de Liverpool, os Beatles, estavam começando.

A Criação dos Beatles

Os Beatles começaram a se apresentar no final dos anos 50 em clubes de jazz na Inglaterra e na Alemanha Ocidental. Esses clubes, sempre localizados na parte mais degradada das cidades, serviam como pontos de prostituição e de circulação de drogas. Phillip Norman, biógrafo dos Beatles, escreve: "O único compromisso regular que eles tinham eram em um clube onde havia dançarinas seminuas. O dono do clube pagava dez shillings a cada um deles para tocar seus violões enquanto uma dançarina chamada Janice tirava lentamente suas roupas diante de um público formado por marinheiros, alguns executivos e habitués envergonhados que deixavam suas capas de frio no colo. [Phillip Norman, Shou! The Beatles in Their Generation, pg 81]

Os Beatles tiveram seu primeiro sucesso na Alemanha, em agosto de 1960, quando fizeram uma apresentação em um clube de jazz no famoso bairro Reeperbahn, em Hamburgo. Descrevendo a área, Norman diz que ela tinha "janelas iluminadas com luz vermelha, onde prostitutas com todos os tipos de roupas extravagantes, de todas as idades, de ninfetas a velhotas... Tudo era livre; tudo era fácil; o sexo era fácil... ele vinha até você." [Phillip Norman, ibidem, pg 91]

Longe da figura de inocência, os Beatles, mesmo em suas primeiras apresentações, estavam sempre sob o efeito de uma droga chamada Preludin, "John Lennon soltava espuma pela boca, pois tinha tomado muitos comprimidos... ele começou a ter um comportamento estranho no palco, dando saltos e deitando-se no chão... O fato de o público alemão não conseguir entender nada do que ele cantava, fazia John Lennon gritar 'Seig Heil!' e 'seus nazistas f******', ao que o público invariavelmente respondia rindo ou batendo palmas." [Phillip Normal, ibidem, pg 152, 91]

Fora dos palcos, os Beatles também eram perversos. Norman continua, "durante o tempo em que passaram em Hamburgo, todos os domingos, John Lennon ficava em um lugar alto, zombando das pessoas que dirigiam-se à igreja de São José. Ele amarrou um preservativo cheio de água em uma escultura de Jesus Cristo e fixou-a à vista das pessoas que iam à igreja. Certa vez ele urinou sobre a cabeça de três freiras que caminhavam na rua embaixo. [Norman, ibidem pg. 152]

Enquanto estavam em Hamburgo, em 1962, os Beatles receberam um telegrama de seu empresário, um indivíduo homossexual chamado Brian Epstein, que estava na Inglaterra. "Parabéns. A EMI quer fazer uma sessão de gravação com vocês", dizia a mensagem. A EMI era uma das maiores gravadoras da Europa e seu papel na promoção dos Beatles seria fundamental no futuro.

Sob a rigorosa supervisão de George Martin, o diretor de gravação da EMI, e de Brian Epstein, os Beatles foram banhados, escovados, vestidos, e seu cabelo estilizado no "corte dos Beatles". O diretor da EMI, Gerge Martin, foi quem criou os Beatles em seu estúdio de gravação.

Martin era um músico de formação clássica, e tinha estudado oboé e piano na Escola de Música de Londres. Os Beatles não sabiam ler partitura nem tocar nenhum outro instrumento, exceto o violão. Para Martin, a musicalidade dos Beatles era uma piada de mau gosto. Na primeira gravação deles, "Love Me Do", Martin substituiu Ringo na bateria por um músico contratado pelo estúdio, pois achava que Ringo "não tinha capacidade nem para tocar tambor na selva". Daquele momento em diante, Martin transformaria as músicas simples e pobres dos Beatles em grandes sucessos de gravação.
Lockwood e EMI

A EMI [Electrical and Mechanical Instruments], presidida pelo aristocrata Sir Joseph Lockwood, é uma das principais fabricantes de eletrônica militar da Grã-Bretanha. Martin era diretor da subsidiária da EMI, a Parlophone. Em meados dos anos 60, agora chamada Thorn EMI, criou uma divisão de música que tinha crescido para 73.321 funcionários e tinha vendas anuais de mais de 3 bilhões de dólares.

A EMI era também um membro fundamental no círculo da inteligência militar britânica.

Após o fim da guerra, em 1945, a produção européia da EMI, presidida por Walter Legge virtualmente dominou as gravações de música clássica, firmando contratos com dezenas de músicos clássicos e cantores líricos alemães, que naquela época estavam passando fome. Os músicos que procuravam preservar a tradição das apresentações da música de Beethoven e de Brahms eram relegados ao esquecimento enquanto que os ex-membros do Partido Nazista foram promovidos. Legge assinou um contrato de gravações com o Hebert Von Karajan, promovendo-o ao status de astro, enquanto grandes maestros, como Wilhelm Furtwangler foram ignorados.

Desde o início, a EMI criou o mito da grande popularidade dos Beatles. Em agosto de 1963, na primeira importante apresentação que fizeram na televisão, no London Palladium, milhares de fãs supostamente compareceram. No dia seguinte, todo jornal de grande circulação na Grã-Bretanha tinha uma chamada na primeira página com uma foto dizendo, "Polícia esforça-se para conter a agitação de 1.000 adolescentes" No entanto, a foto exibida nos jornais foi recortada e somente três ou quatro das 'adolescentes agitadas' apareciam. A história era uma fraude. De acordo com um fotógrafo que estava no local, "Não houve agitação alguma. Eu estava lá e vi. Eram oito garotas, talvez menos." [Norman, ibidem, pg 188]

Em fevereiro de 1964, os mito dos Beatles chegou aos EUA, completo com a histeria orquestrada no aeroporto Kennedy de Nova York, mencionada anteriormente. Para iniciar o primeiro tour, a mídia criou uma das maiores audiências de massa na história. Por dois domingos consecutivos, um fato até então inédito, no programa Ed Sullivan Show, mais de 75 milhões de americanos assistiram os Beatles balançando suas cabeças e corpos em um ritual que logo seria imitado por centenas de outros grupos de Rock.

Ao retornarem para a Inglaterra, os Beatles foram recompensados pela aristocracia britânica, à qual serviam tão bem. Em outubro de 1965, os quatro foram agraciados com a Ordem da Cavalaria, e receberam da Rainha Elizabeth II a distinção de Membros do Império Britânico no Palácio de Buckingham.
Saindo do Pó: Os Rolling Stones

O crédito pela origem do Rock claramente satânico dos grupos "heavy metal" atuais pode ser atribuído ao grupo inglês The Rolling Stones. A ascensão deles à fama estava conectada com a dos Beatles.

Os Stones, como são chamados, eram abertamente caracterizados como contrapeso dos Beatles. "Os Stones eram 'egoístas', 'sujos' e 'rebeldes', enquanto que os Beatles tinham [inicialmente] o aspecto de serem bem comportados. Embora aparentemente fossem concorrentes, na verdade eram simplesmente dois lados da mesma operação. A primeira gravação de sucesso dos Stones foi na verdade composta pelos Beatles, e foi George Harrison quem cuidou de todos os detalhes para o primeiro contrato de gravação dos Stones.

Seguindo o mesmo plano de jogo que os Beatles, na primavera de 1963, os Rolling Stones apareceram em um dos programas familiares mais populares na televisão da Inglaterra, Thank You Lucky Stars [Obrigado, Estrelas da Sorte]. Desta vez, porém, a reação dos telespectadores de meia-idade foi bem diferente da que os Beatles provocou. Centenas de cartas furiosas foram enviadas à emissora. Uma carta típica dizia assim: "É uma desgraça que rapazes grosseiros e de cabelos compridos como esses possam aparecer na televisão. A aparência deles é repulsiva."

No entanto, o programa teve exatamente o efeito planejado. O empresário dos Rolling Stones, Andrew Oldham, ficou entusiasmado com a resposta do público. "Vamos fazer de vocês exatamente o oposto daqueles limpos e engomados Beatles. Quanto mais os pais detestarem vocês, mais os filhos os amarão. Apenas esperem e vejam." [Tony Sanchez, ibidem, pg 17]

Em 1964, os Rolling Stones apareceram no programa Ed Sullivan Show, exatamente como os Beatles tinham feito anteriormente. Desta vez, porém, a audiência de todo o país viu o estúdio de televisão ser colocado abaixo pelos fãs dos Stones. Após o incidente, Sullivan disse no ar: "Prometo uma coisa a vocês, eles nunca mais voltarão a este programa". A publicidade, porém, foi exatamente a desejada. Dentro de alguns meses, os discos do grupo estavam vendendo milhões de cópias.

O plano era agora usar os Beatles e os Rolling Stones como os meios de transformar toda uma geração em seguidores pagãos da Nova Era, seguidores que poderiam ser moldados na futura liderança de um movimento satânico e depois ocupar nossas escolas, a justiça, a polícia e a liderança política.
Satanás Entra em Cena

Em seu livro, The Ultimate Evil, o investigador e autor Maury Terry escreve que, entre 1966 e 1967, a seita satânica The Process Church [Igreja do Processo], "procurou aliciar os Rolling Stones e os Beatles". Durante esse período, Terry informa que uma foto da namorada de Mick Jagger, o líder da banda The Rolling Stones, Marianne Faithfull, apareceu em uma edição da revista publicada pela seita, The Process Magazine. A foto mostrava-a deitada de frente segurando uma rosa, como se estivesse morta. O livro de Terry implica a seita Igreja do Processo nos múltiplos assassinatos perpetrados por Charles Manson e o Filho de Sam. Foi o ex-advogado da Igreja do Processo, John Markham, quem recentemente moveu a acusação contra Lyndon LaRouche.

Um elo-chave entre os Rolling Stones e a Igreja do Processo foi Kenneth Anger, um seguidor do "pai fundador" do satanismo moderno, Aleister Crowley. Anger, que nasceu em 1930 e foi um ator-mirim em Hollywood na infância, tornou-se um discípulo devoto de Crowley.

Crowley nasceu em 1875 e era chamado de "A Grande Besta". Sabe-se que, em seu papel de sumo-sacerdote, ou "mago" de Satanás, ele praticava o sacrifício ritual de crianças regularmente. Crowley morreu em 1947 devido às complicações causadas pela dependência à heroína. Antes de morrer, estabeleceu conciliábulos satânicos em muitas cidades norte-americanas, incluindo Hollywood. Anger, como Crowley, é um mago, e parece ser o herdeiro dele.
Anger tinha dezessete anos quando Crowley morreu. Naquele mesmo ano, 1947, Anger já estava produzindo e dirigindo filmes que, mesmo para os padrões de hoje, são cheios de pura perversidade.

Durante 1966-67, quando sabe-se que a Igreja do Processo estava aliciando em Londres, Anger também estava na cena. O autor Tony Sanchez descreve que Mick Jagger e Keith Richards, da banda The Rolling Stones, e suas namoradas Marianne Faithfull e Anita Pallenburg, "ouviam encantados Anger apresentar-lhes os poderes e as idéias de Aleister Crowley." [Tony Sanchez, ibidem, pg 155]

Enquanto esteve na Inglaterra, Anger trabalhou em um filme dedicado a Aleister Crowley, chamado Lucifer Rising ['A Revolta de Lúcifer', ou 'A Ascensão de Lúcifer']. O filme juntava a Igreja do Processo, a seita 'A Família', de Manson, e os Rolling Stones. A música para o filme foi composta por Mick Jagger. Marianne Faithfull, seguidora da Igreja do Processo viajou até o Egito somente para participar na filmagem das cenas de uma Missa Negra. O papel de Lúcifer foi representado por um guitarrista de um grupo de Rock da Califórnia, Bobby Beausoleil. Ele era membro da seita 'A Família' e amante homossexual de Anger.

Alguns meses após filmar sob a direção de Anger na Inglaterra, Beausoleil retornou à Califórnia para cometer o primeiro de uma série de assassinatos cruéis da Família. Beausoleil mais tarde foi preso e agora está cumprindo pena de prisão perpétua juntamente com Manson. Tendo perdido seu ator mais importante, Anger então pediu a Mick Jagger que representasse o papel de Lúcifer. Ele acabou ficando com Anton LaVey, autor de A Bíblia Satânica e líder da Primeira Igreja de Satanás, para representar o papel. O filme foi lançado em 1969 com o título Invocation to My Demon Brother [Invocação ao Meu Demônio-Irmão].

Em Londres, Anger tinha conseguido aliciar para o satanismo a namorada de um dos Rolling Stones, Anita Pallenberg. Pallenberg tinha conhecido os Stones em 1965. Ela começou imediatamente a manter um relacionamento sexual com três dos cinco membros da banda.

Anger, falando sobre Anita, disse, "Creio que Anita é, por falta de uma palavra melhor, uma feiticeira... A unidade ocultista dentro dos Stones é Keith e Anita... e Brian. Brian também é um feiticeiro."

Um dos amigos do grupo, Tony Sanchez, escreve sobre Pallenberg em seu livro, Up and Down with the Rolling Stones, "Ela era obsecada por magia negra e começou a carregar uma réstia de alho consigo por toda a parte - era para afugentar os vampiros. Também tinha um estranho e misteriosos misturador para água benta que usava em alguns de seus rituais. Suas cerimônias tornaram-se cada vez mais secretas, e ela me advertia para nunca interrompê-la quando estivesse trabalhando em um encantamento." [Tony Sanchez, ibidem, pg 159]

Ele continua, "No seu quarto, ela tinha um grande baú todo ornado e entalhado do qual tinha tanto ciúmes que assumi que era onde escondia as drogas. Certo dia, quando fiquei sozinho em casa, decidi dar uma olhada no quarto dela. As gavetas estavam cheias de pedaços de ossos, peles enrugadas e pêlo de animais estranhos." [Tony Sanchez, ibidem pg 159]

Em 1980, o caseiro de dezessete anos da propriedade de Keith Richards na Nova Inglaterra foi encontrado morto. A morte, dada como suicídio, foi com a arma de Pallenberg. A casa de Richards estava localizada próxima da sede na costa leste da Igreja do Processo. De acordo com um artigo no jornal inglês Midnite, um policial de Connecticut, Michael Passaro, que tinha atendido ao caso de "suicídio" informou que "cantos estranhos" tinham sido ouvidos no bosque, a quatrocentos metros da mansão de Richards.

O jornal continua, "Vários rituais satânicos bizarros foram realizados na região nos últimos cinco anos." Um repórter local atribuiu o crescimento do ocultismo 'às pessoas ricas que estão tomando ácido [gíria para LSD]'."

Em 1967, refletindo sua associação com Anger e a Igreja do Processo, os Rolling Stones lançaram seu primeiro álbum de Rock celebrando abertamente o Diabo, chamado Their Satanic Majesties Request [As Majestades Satânicas Deles Pedem]. Alguns meses antes, os Beatles tinham lançado seu primeiro álbum dedicado à promoção das drogas psicodélicas, Sargeant Pepper´s Lonely Hearts Band Club. O álbum continha uma versão fantasiosa do efeito ["a viagem"] do LSD, chamada "Lucy in the Sky with Diamonds", ou L. S. D. O álbum teve uma enorme vendagem.

Claramente, o álbum dos Beatles foi dedicado ao satanista Aleister Crowley. Ele foi lançado 20 anos após a morte de Crowley, perto do dia do seu falecimento e a canção título começava com a letra "Hoje, vinte anos atrás..." A foto de Crowley aparecia na capa do álbum.

Um mês após o lançamento do álbum, os Beatles chocaram o mundo anunciando publicamente que estavam tomando LSD regularmente. Paul McCartney, em uma entrevista à revista Life disse, "O LSD abriu meus olhos. Usamos somente a décima-parte da nossa mente." Eles também defenderam a liberação da maconha.

Agora o gato estava fora da bolsa, não era mais segredo, mas os protestos foram poucos e pequenos. Na Inglaterra, a BBC baniu "A Day in the Life" e nos EUA, o governador de Maryland, Spiro T. Agnew, que mais tarde se envolveria no escândalo de Watergate, iniciou uma campanha para banir a música "Lucy in the Sky With Diamond".

Adendo de Dial-the-Truth Ministries

A Música Rock e Aleister Crowley

Aleister Crowley é, sem sombra de dúvida, o principal "mestre" espiritual da música Rock. O propósito de Crowley na vida era destruir Jesus Cristo e o cristianismo, ao mesmo tempo em que exaltava as perversões sexuais, as drogas, a magia e Satanás.

Aleister Crowley expressa seu ódio a Jesus Cristo em The World´s Tragedy [A Tragédia do Mundo]:

"Não quero discutir as doutrinas de Jesus, elas e somente elas, degradaram o mundo à sua condição atual. Considero o cristianismo não somente a causa, mas também o sintoma da escravidão." [Aleister Crowley, The World´s Tragedy, pg XXXIX]

"Essa religião que eles chamam de cristianismo; o diabo que eles honram chamam de Deus. Aceito essas definições, como um poeta faria, para ser inteligível à sua época, e é o Deus e a religião deles que EU ODEIO E VOU DESTRUIR." [Aleister Crowley, ibidem, pg XXXI]

Na introdução de The World´s Tragedy, Israel Regardie diz:

"Esse longo e quase épico poema é uma das mais amargas e cruéis diatribes ao cristianismo que eu já li."

O ensino mais famoso de Crowley, "Faça o que quiser, isso há de ser toda a lei" tornou-se o mantra da revolução das drogas, perversões sexuais e todo o anticristianismo dos anos 60. "Faça tudo o que você quiser. Se for bom e der prazer, então faça".

Os Beatles e Crowley

De acordo com o The All Music Guide, o álbum Sargeant Pepper, dos Beatles, "será para sempre conhecido como a gravação que mudou o Rock & Roll. A revista Time disse, "Sargeant Pepper estava encharcado de drogas." [Time, 26/9/1967, pg 62]

A capa do álbum mostrava os Beatles com um fundo formado por pessoas que, de acordo com Ringo Starr "de quem gostamos e que admiramos" [Hit Parade, outubro/1976, pg 14] Paul McCartney falou sobre a capa do álbum, "... íamos ter as fotos dos nossos heróis na parede..." [Musician, Edição Especial para Colecionadores, Beatles e The Rolling Stones, 1988, pg 12]

Um dos heróis dos Beatles incluído na capa do álbum Sargeant Pepper, era - o infame Aleister Crowley! A maior parte das pessoas em 1967 não sabia quem era Crowley - mas os Beatles certamente sabiam.

Capa do álbum "Sargeant Pepper", dos Beatles.

"...íamos ter as fotos dos nossos heróis na parede..."
O "herói" Aleister Crowley é o segundo a partir da esquerda na linha de cima.

Aparentemente, os Beatles encaravam os ensinos de Crowley com muita seriedade - John Lennon, em uma entrevista, disse que "toda a idéia dos Beatles" era o famoso ensino 'faze o que tu quiseres' de Crowley.

"Toda a idéia dos Beatles era faze tudo o que quiseres, certo? Assumir suas próprias responsabilidades, fazer o que quiser e tentar não prejudicar as outras pessoas, certo? FAÇA O QUE QUISER, desde que não fira ninguém... [Entrevista da revista Playboy com John Lennon e Yoko Ono, David Sheff & G. Barry Golson, pg. 61]

"Eles são totalmente anticristãos! Eu também sou anticristão, mas eles são tão anticristãos que me deixam chocados, o que não é uma coisa fácil." - Derek Taylor, Assessor de Imprensa dos Beatles [Saturday Evening Post, 8/8/1964]
"Jesus El Pifico, um covarde fedorento, fascista, bastardo, comedor de alho." [John Lennon, A Spaniard in the Works, pg 14]

"O cristianismo vai acabar, vai diminir e desaparecer totalmente. Não preciso discutir esse fato. Estou certo e o tempo vai provar isso... Neste momento, somos mais famosos que Jesus." [John Lennon, San Francisco Chronicle, 13/abril/1966, pg 26]

LED ZEPPELIN

Um dos discípulos mais devotos de Crowley foi o guitarrista do Led Zeppelin, Jimmy Page. Page comprou a "casa dos horrores" de Crowley - Boleskine, situada no Lago Ness, na Escócia. Boleskine era a casa onde Crowley realizava sua "magia satânica", incluindo sacrifícios de sangue. Crowley foi enterrado dentro de um câmara escura em Boleskine. O ensino mais famoso de Crowley era "Faça o que quiser, isso será toda a lei". Page inscreveu no vinil no terceiro álbum da banda, Led Zeppelin III, "Faça o que quiser. Assim seja." Sem que as pessoas que assistiam aos seus concertos soubessem, Jimmy Page realizava rituais aprendidos de Crowley durante algumas apresentações da banda Led Zeppelin.

OZZY OSBOURNE

Ozzy Osbourne chamou Crowley de "fenômeno da sua época" [Circus, 26/8/1980] Ele gravou uma música em tributo a Crowley - Mister Crowley. A letra diz:

Você enganou a todos com a magia
Você aguardou o chamado de Satanás....

Crowley, não quer montar no meu cavalo branco?

Ozzy, conhecido por seus atos violentos e incontroláveis quando está no palco, confessou em uma entrevista:

"Realmente gostaria de saber por que fiz algumas dessas coisas nesses anos. Não sei se sou um médium para alguma força de fora. Seja lá o que for, francamente, espero que não seja o que penso que é: Satanás." [Hit Parade, fevereiro de 1978, pg 24]

THE DOORS

Jim Morrison, o superastro do grupo The Doors, que morreu "misteriosamente" em 3/julho/1971 estava profundamente imerso no ocultismo. Ele e sua noiva casaram-se em uma cerimônia na religião Wicca, de pé sobre um pentagrama desenhado no chão e bebendo um o sangue do outro.

A capa de trás do álbum do The Doors, "13" mostra o grupo reunido em volta de um busto de Aleister Crowley.

Morrison admitia que Satanás era a fonte de sua música:

"Encontrei o Espírito da Música... Uma aparição do diabo em um canal de Veneza. Correndo, eu vi um Satã ou um Sátiro, movendo-se ao meu lado, uma sombra em carne da minha mente secreta..." [The Lost Writings de Jim Morrison, pg 36-38]

Ray Manaxrek do The Doors, fala sobre Morrison:

"Ele não era um ator; não era um apresentador; não era um comediante. Era um xamã. Ele era possesso."

"Enquanto Jim Morrison estava no Chateau Marmont, passou algumas noites muito doidas com uma vizinha obesa e de seios grandes... certa vez acordando com os lençóis manchados de sangue, após terem dividido taças de champanhe contendo o sangue um do outro." [Pamela Des Barres, Rock Bottom, pg 208]

Muitos outros artistas da cena do Rock "estudaram" Crowley, como: Marc Bolan, David Bowie, Graham Bond, Sting, Daryl Hall, King Diamond, Bruce Dickinson, Siv Bators, etc.

Criando a Contracultura

O ano de 1967 marcou uma escalada marcante em uma guerra cultural aberta contra a juventude norte-americana. O ano viu o início dos concertos de Rock ao ar livre, que atraiam milhares de pessoas. Nos dois anos que se seguiram, mais de 4 milhões de jovens assistiram a uma série de aproximadamente doze desses "festivais", tornando-se vítimas de uma experiência planejada da livre distribuição de drogas em larga escala. Drogas alucinógenas que causam danos ao cérebro, como PCP, STP e o LSD promovido pelos Beatles, eram livremente distribuídos nesses concertos. Esses milhões de jovens voltariam depois para suas casas para tornarem-se os mensageiros e promotores da nova cultura das drogas, que veio a ser chamada de "Nova Era".

O primeiro festival de Rock, "O Primeiro Festival Pop Anual Internacional de Monterey" teve a presença de 100.000 jovens. O propósito real do Festival Pop de Monterey era a distribuição em larga escala de um novo tipo de droga, classificada como psicodélica, ou alucinógena, como o LSD. Em Monterey, milhares de adolescentes tiveram seu primeiro contato com as novas drogas alucinógenas. A primeira experiência com LSD foi iniciada nos primeiros anos da década de 60, na seção Haight-Ashbury de San Francisco. O projeto era administrado por uma força-tarefa da CIA-Inteligência Britânica sob o codinome MK-Ultra. Parte do projeto previa a distribuição grátis de 5.000 comprimidos de LSD por meio de uma comunidade conhecida como Merry Panksters [Os Traquinas Felizes], de Ken Kesey. Os efeitos posteriores do LSD seriam então cuidadosamente estudados.

Adendo de Dial-the-Truth

"A propósito, sempre precisamos lembrar de agradecer à CIA e ao exército pelo LSD. Isso é o que as pessoas esquecem..." [Entrevista da revista Playboy com John Lennon e Yoko Ono, pg 123]

Kesey, assim chamado "poeta" e condenado por tráfico de drogas, tornou-se famoso por dirigir pela Califórnia em um ônibus todo pintado com sua comuna, os Merry Praksters [os Traquinas Felizes], distribuindo a bebida Kool Aid misturada com LSD para os incautos.

O efeito do LSD é tornar a vítima psicótica, juntamente com a incapacidade de discernir a realidade das alucinações induzidas pela droga. Para muitas pessoas, essa psicose (também chamada de "viagem ruim") podia levar ao suicídio e isso realmente aconteceu com muitas pessoas. Quando um indivíduo recebe LSD sem saber, as capacidades produtoras de psicose da droga são amplificadas, e normalmente causam dano cerebral irreversível na vítima.

O organizador do Festival de Monterey foi John Phillips, membro do grupo de Rock The Mammas and the Pappas. Phillips, como veremos, era um promotor do uso de drogas e estava ligado à rede de satanistas em torno de Charles Manson e do diretor de cinema Roman Polanski.

Phillips constituiu uma junta de diretores para promover e financiar o concerto. Os membros da junta formaram uma rede de agentes da inteligência britânica e satanistas. A junta de diretores incluia Andrew Oldham [o empresário dos Rolling Stones], o líder dos Stones, Mick Jagger, o Beatle Paul McCartney e o amigo de Phillips, o produtor de discos Terry Melcher, o filho da atriz Doris Day.

O concerto, incluindo o cenário e a enorme e inovativa amplificação ao ar livre, foi dirigido por Phillips. Foi a primeira vez que uma audiência norte-americana foi exposta a esses grupos britânicos abertamente demoníacos, como The Who e Jimi Hendrix. Na conclusão da sua apresentação, a banda The Who, em um furor provocado pelas drogas, destruiu todas as guitarras, amplificadores e as baterias. Jimi Hendrix simulava masturbação com sua guitarra no palco, ao mesmo tempo em que tocava em um volume ensurdecedor.

Havia um uso maciço e aberto das drogas. O autor Robert Santelli, em seu livro, Aquarius Rising, [A Ascensão de Aquário], escreveu "Havia LSD em abundância em Monterey. Comprimidos de 'Monterey Purple' eram literalmente entregues a qualquer pessoa que quisesse experimentar um pouco." A polícia não realizou nenhuma prisão, definindo outro precedente para os futuros concertos ao ar livre.

Havia um esquema muito maior em operação. O esquema estava ligado ao projeto MK-Ultra e envolvia o uso de satanistas ao redor de Phillips, juntamente com agentes como Ken Kesey e Timothy Leary. O plano era transformar as proximidades de San Francisco em uma área reservada para o satanismo, o aliciamento em massa e a perversão dos jovens e rebeldes adolescentes.

Phillips tinha anteriormente escrito a música para uma canção chamada 'San Francisco', que vendeu mais de 5 milhões de cópias. A canção convocava todos os jovens do país a virem para San Francisco 'com flores nos cabelos'. Foi o brado de ajuntamento para os dezenas de milhares que foram a San Francisco no verão de 1968 para participarem no novo movimento "hippie", chamado de Verão do Amor. Alguns dos que foram tornaram-se presa para tipos como Charles Manson, que aliciava os membros da sua seita "a Família" exclusivamente entre jovens rebeldes e fugidos de casa.

Adendo de Dial-The-Truth
Timothy Leary e Aliester Crowley

Timothy Leary, um psicólogo de Harvard, que foi o "guru" do LSD dos anos 60, pregava que a "iluminação" espiritual poderia ser obtida por meio do LSD. Muitos roqueiros, como os Beatles, foram profundamente influenciados por Leary. A canção dos Beatles "Come Together" foi dedicada a Leary e ele chegou a cantar como voz de fundo na música "Give Peace a Chance" [Dê uma Chance à Paz], de John Lennon.

Leary também era um discípulo de Crowley. No programa PBS Late Night America, Leary admitiu ser um "admirador" de Crowley e acreditava que estava dando continuidade à sua obra:

"Bem, sou um admirador de Aleister Crowley. Acho que estou realizando muito da obra que ele iniciou há mais de cem anos atrás, e acho que os próprios anos 60... Ele achava que todos deviam se conhecer a si mesmos e acreditava em "Faça o que quiser, isso há de ser toda a lei" com amor. Essa frase é muito poderosa. É uma pena que ele não esteja vivo para apreciar as glórias daquilo que iniciou."

(PBS Late Night America, do vídeo "Hells Bells", Reel to Real Ministries).

Manson e os Astros do Rock

Charles Manson foi bem retratado como um psicótico solitário que tinha poder hipnótico sobre sua "Família". Na realidade, Manson era bem conhecido de um rede inteira de atores e atrizes de Hollywood, promotores de eventos, parceiros e astros da música Rock, e fornecia sexo e drogas a muitos deles.

Em sua autobiografia, Pappa John, Phillips fala sobre um convite que recebeu para ir com Terry Melcher à mansão de Dennis Wilson, integrante do grupo Beach Boys. Wilson dizia, "Charlie está aqui com todas as gatinhas. Ele toca guitarra e é realmente muito doido. Ele controla todas essas gatinhas lindas como se fossem suas escravas. Você pode vir e comer qualquer uma delas. É uma ótima festa."

Toda a "Família" de Manson mudou-se para a mansão dos Beach Boys por quase um ano. Os Beach Boys, que apresentaram-se até na Casa Branca, são o grupo de maior vendagem da Capitol Records, uma subsidiária da EMI.

No domingo de 10 de agosto de 1969, Manson enviou quatro membros de sua seita para a última visita deles à casa de Melcher. Dessa vez, Melcher não estava lá, mas a atriz Sharon Tate, mulher do diretor Roman Polanski, e três outras pessoas, estavam. Quando o grupo saiu, ela e os outros tinham sido mutilados e assassinados com selvageria. Quanto a Phillips, em junho de 1980, ele foi preso por estar gerenciando uma grande operação de tráfico de drogas.

A Era de Aquário

O maior concerto após o de Monterey, a "Feira de Arte e de Música de Woodstock", seria aquilo que a revista Time celebrou como um "Festival de Aquário" e "o maior acontecimento da história". O termo "Aquário" foi escolhido com cuidado. A Era de Aquário significava que a "Era de Peixes", que é a era cristã, tinha chegado ao fim.

Em Woodstock, uma pequena localidade no estado de Nova York, quase quinhentos mil jovens reuniram-se em uma fazenda para serem drogados e receberem lavagem cerebral. As vítimas ficaram isoladas, imersas na imundície, recebendo drogas psicodélicas, e mantidas acordadas continuamente por três dias seguidos, e tudo com a cumplicidade do FBI e de membros do governo. A segurança para o concerto foi fornecida por uma comunidade hippie treinada na distribuição em massa de LSD.

Novamente, foi a rede da inteligência militar britânica que iniciou tudo. Woodstock foi uma criação de Artie Kornfeld, o diretor da Divisão de Projetos Contemporâneos da Capital Records, a gravadora subsidiária da EMI. Os recursos financeiros originais foram providos pelo herdeiro de uma grande companhia farmacêutica estabelecida na Pensilvânia, John Roberts, e dois outros sócios. Foi outra companhia farmacêutica, o laboratório suiço Sandoz, que primeiro sintetizou o LSD. Mais tarde, Roberts seria acusado de usar sua companhia para viciar a massa dos participantes do festival nas drogas.

Poucos preparativos adequados foram feitos para receber as quase quinhentas mil pessoas que compareceram. Joel Rosenman, um dos três sócios, escreveu pouco antes do ínicio do festival, "Os alimentos e a água claramente não seriam suficientes, as instalações sanitárias estavam subdimensionadas, os controles seriam poucos, e as drogas superabundantes. Pior de tudo, não haveria meio de alguém sair dali, mesmo se quisesse." Na verdade, fazer as pessoas sentarem-se ao lado do seu próprio excremento era parte do plano.

Uma comunidade hippie chamada The Hog Farm [Granja de Engorda de Porcos], teve um papel especial em Woodstock. Essa comunidade era liderada por um homem apelidado de Wavy Graver, que era um antigo membro da operação MK-Ultra de Ken Kesey, os Merry Pranksters [Traquinas Felizes]. Comunidades como The Hog Farm eram comumente encontradas em partes remotas da Califórnia e serviam como terreno para a criação de seitas satânicas, bem como para grupos terroristas. Os membros dessas comunidades comunicavam-se continuamente com outras comunidades e eram o terreno de aliciamento para a Igreja do Processo e para a "Família", de Charles Manson. Diane Lake, da The Hog Farm, também era membro da Família quando houve o massacre de Sharon Tate e dos outros convidados.

Em 14 de agosto, um dia antes da abertura, toda a força de segurança do festival, formada por 350 policiais de Nova York que estavam em folga, caiu fora. O porta-voz da polícia declarou que nenhuma solicitação formal tinha sido feita com a cidade, uma declaração que os promotores negaram com veemência. No dia seguinte, em um artigo publicado no jornal The New York Times, o chefe da segurança em Woodstock dizia, "Agora não temos nenhuma segurança. Estou paralisado. Estamos com o maior ajuntamento de jovens na história deste país e sem contar com nenhuma proteção da polícia." Sem qualquer surpresa, a comunidade The Hog Farm foi colocada a cargo da segurança.

O patrocinador e diretor de Woodstock, John Roberts, admitiu abertamente que conhecia a conexão de The Hog Farm com a distribuição de drogas. Ele escreve, "o pagamento que eles cobraram foi simplesmente o transporte ida e volta para festival ... uma força para manter a paz que parecia, falava e cheirava como a multidão teria uma alta credibilidade e seria muito eficiente... e o mais importante, eles eram espertos no assunto das drogas, conhecendo o ácido bom do ruim, as boas viagens das más, o bom medicamento do veneno, etc."

Naquele tempo, a comunidade The Hog Farm estava vivendo nas montanhas do Novo México. Roberts fretou um avião Boeing 727, por US$ 17.000 e trouxe 100 membros para Nova York.

Para limpar o caminho final para a planejada distribuição de drogas para meio milhão de jovens, o promotor público do distrito concordou privadamente que não seriam feitas prisões ou aberturas de inquéritos por desrespeito à lei dos entorpecentes. John Roberts escreve. "O promotor do distrito... logo reconheceu que muitos dos nossos clientes estariam usando drogas ilícitas, mas também que esse seria o menor dos nossos problemas durante o fim de semana. Assim, ele atuou com compreensão e com boa graça o tempo todo." Roberts também escreve que estava se reunindo continuamente com o FBI até e inclusive no dia anterior ao início do concerto, e que tinha a total cooperação deles.

Começa a Experiência

Dois dias antes da data prevista para o concerto, 50.000 jovens já tinham chegado a Woodstock. As drogas começaram a circular imediatamente. Muitas pessoas levaram seus bebês, e, como diz Roberts, até eles recebiam entorpecentes. Roberts escreve que em um lago próximo dali, "os pequenos nadavam nus, fumavam maconha e entravam no ritmo da música".

Uma pesquisa realiza pelo The New York Times no festival constatou que 99% das pessoas estavam fumando maconha. Os enviados do xerife local, totalmente sobrepujados, informaram que não fizeram nenhuma prisão por causa do uso dos entorpecentes. O jornal do dia 17 de agosto citou um policial que disse, "Se fôssemos prender, não haveria espaço suficiente no nosso condado nem nos três condados vizinhos para colocar todo mundo."

O uso da maconha não era o pior. Seguindo a idéia do projeto MK-Ultra original, a distribuição em massa do LSD viria em seguida, muito dele misturado com Coca Cola, como o Pranksters, de Kesey tinha feito cinco anos antes. Roberts relata jocosamente o seguinte, "Um policial particularmente nervoso... recebeu uma Coca Cola misturada com LSD enquanto estava orientando o trânsito. Muito tempo depois de a circulação dos veículos parar totalmente em um engarrafamento, o guarda ainda fazia sinais para eles. Finalmente, decidiram levá-lo embora."

Nos próximos três dias, os quase quinhentos mil jovens que compareceram ficaram sujeitos continuamente às drogas e à música Rock. Devido às chuvas torrenciais, eles ficavam encharcados de lama. Não existiam abrigos, nem forma de sair. Os carros estavam estacionados a uma distância de mais de 13 quilômetros. Rosenman escreve que a chave para a "experiência de Woodstock" foi "manter os músicos tocando vinte e quatro horas por dia ... para manter os jovens transfixados..."

Dentro das primeiras 24 horas, mais de 300 jovens precisaram receber cuidados médicos, violentamente enfermos. O diagnóstico: estavam tendo "viagens" ruins com o LSD. Milhares de outros casos aconteceram em seguida. Em 17 de agosto, o The New York Times informou: "Hoje a noite, um locutor do festival advertiu do palco, que "ácido com defeito de fabricação" estava em circulação. Ele disse, "Vocês não estão recebendo veneno. O ácido não é veneno. Simplesmente veio com um defeito de fabricação. Vocês não vão morrer... Não pensem que foram envenados. Se você estiver preocupado, tome apenas meio comprimido."

O conselho, para quase 500.000 pessoas, "tome apenas meio comprimido" foi dado por ninguém menos que Wavy Gravy, o agente do MK-Ultra.

Com um número crescente de ocorrências médicas para atender, foi feita uma solicitação à prefeitura de Nova York para que enviasse profissionais da saúde treinados em emergências médicas. Mais de 50 médicos e enfermeiros foram transportados de avião. Até o final de Woodstock, o número total de ocorrências médicas chegou a 5.000.

Altamont: A Criação de um Filme com Morte Real

O último grande festival de Rock dos anos 60 aconteceu no circuito de corrida de carros em Altamont, fora de San Francisco. Os músicos em destaque eram os Rolling Stones, que agora reinavam supremos no mundo do Rock, pois os Beatles tinham se separado. A sugestão para o concerto veio de Ken Kesey, agente do MK-Ultra.

Desta vez, a audiência foi levada ao frenesi, em louvor aberto ao Diabo. O resultado foi uma literal orgia satânica. No final, quatro pessoas estavam mortas e dezenas surradas e feridas. Mick Jagger, o vocalista que era líder dos Rolling Stones, representava o papel de Lúcifer. A apresentação marcou o início dos concertos de "heavy-metal" de hoje.

Mais de 400.000 pessoas estiveram em Altamont que teve menos preparação ainda que Woodstock. Faltou comida e até água. No entanto, podia-se encontrar muita droga. Como em Woodstock, o concerto tornar-se-ia o veículo para a utilização em massa das drogas, especialmente o LSD. O autor Tony Sanchez descreve a cena à medida que as pessoas chegavam a Altamont:

"Por volta das dez da manhã mais de 250.000 pessoas já estavam por ali, e as coisas estavam ficando caóticas. Havia muito ácido ruim (LSD-DP) em circulação, e, por toda a parte, as pessoas estavam ansiosas. Todos estavam entrando sob o efeito de drogas, aguardando as horas que faltavam para o início - erva mexicana, vinho californiano barato, anfetaminas..." [Tony Sanchez, ibidem, pg 195]

"Por volta do meio-dia, todos estavam tendo suas 'viagens'.... Um homem quase morreu quando tentou voar saltando de uma ponte - outro caso de alucinação provocada pelo ácido. Na outra ponta um rapaz gritava pedindo ajuda por ter caído nas águas profundas de um canal de drenagem. As pessoas, sob o efeito das drogas, somente olhavam ele afundar, sem distingüir se a cena era real ou mais uma alucinação. De qualquer forma, não importava mais, ele já estava morto. Por toda a parte, os médicos estavam atarefados realizando partos em mulheres jovens que davam à luz bebês prematuros." [Tony Sanchez, ibidem, pg 195]

A descida ao Inferno continuaria. Os Rolling Stones tinham contratado, segundo se informou, por 500 dólares, a gangue de motociclistas Hell´s Angels [Anjos do Inferno] para atuar como guardas de segurança para o concerto. No entanto, o pagamento real deles seria a receita obtida com a venda de drogas. Os Anjos do Inferno, uma gangue formada por ladrões, estupradores e assassinos, eram os controladores e fornecedores conhecidos de drogas em toda a costa oeste americana.

Quando o festival foi aberto, a multidão de quase meio milhão de pessoas esperou por mais de uma hora e meia até que os Stones aparecessem. Somente com o cair da noite, que permitia o uso de efeitos luminosos especiais, é que eles subiram ao palco. Mick Jagger, o vocalista, estava vestido com uma capa de cetim, que ficava vermelha sob as luzes. Ele estava imitando Lúcifer.

O autor Sanchez descreve em seguida o que ele chama de "ritual satânico pré-planejado". Quando o grupo começou a tocar, "estranhamente vários jovens começaram a tirar a roupa e a rastejar até o palco, como se fosse um altar, onde ofereciam-se como vítimas aos chutes e pauladas dos Anjos do Inferno. Quanto mais eles eram surrados, mais ainda se impeliam, como se motivados por uma força sobrenatural, para oferecerem-se como sacrifícios humanos a esses agentes de Satanás." [Tony Sanchez, ibidem, pg 199]

No meio da multidão, diante do palco, acompanhado por sua namorada, estava um homem negro chamado Meredith Hunter. Ele logo foi escolhido para ser o sacrifício humano.

Os Stones tinham acabado de lançar uma nova canção, "Sympathy for the Devil" [Simpatia pelo Diabo]. Rapidamente o disco tornou-se o maior sucesso no país. A música começa com Mick Jagger apresentando-se como Lúcifer. Quando ele começou a cantá-la em Altamont, todo o público se levantou e começou a dançar freneticamente.

Sanchez descreve o que aconteceu em seguida, "Um grandalhão dos Anjos do Inferno, parecendo um urso, aproximou-se de Meredith Hunter para puxar seu cabelo com força e provocar uma briga.... A briga aconteceu, mais cinco Anjos vieram para ajudar o colega, enquanto Meredith tentava sair do meio daquela multidão. Um dos Anjos o pegou pelo braço e o esfaqueou nas costas. A faca não penetrou muito, mas Meredith percebeu que precisaria lutar muito para continuar vivo. Ele puxou uma arma do bolso e apontou-a direto para o peito de um dos Anjos.... E então os Anjos cairam em cima dele como uma alcatéia de lobos. Um deles tomou a arma da sua mão, outro o esbofeteou na cara e ainda outro batia nele repetidamente, insanamente, nas costas, até que os joelhos fraquejaram."

"Quando os Anjos acabaram com a surra, várias pessoas tentaram ajudar Meredith, mas um dos Anjos montou guarda ao lado do corpo inerte. "Não toquem nele", disse ameaçadoramente. "Ele vai morrer mesmo, então deixem que morra." [Tony Sanchez, ibidem, pg 202]

Nunca ficou provado que Meredith tinha uma arma. Mais tarde, foram feitas algumas prisões, mas ninguém foi indiciado porque ninguém se apresentou como testemunha, por temor de retaliação dos Anjos do Inferno.

Durante todo o incidente, os Rolling Stones continuaram tocando "Simpatia pelo Diabo". Do palco, viam Meredith Hunter ser morto diante deles. Além disso, incrivelmente, todo o assassinato foi filmado por uma equipe profissional contratada para filmar o concerto. Pouco tempo depois, o filme foi lançado com o título de uma canção dos Rolling Stones, chamada "Gimme Shelter" [Dê-me Abrigo].

O assassinato foi planejado por satanistas? Em seu livro The Ultimate Evil, o autor Maury Terry diz que as seitas satânicas circulam entre si filmes de seus sacrifícios humanos. Esses filmes são chamados de "filmes com morte real". Terry relata que um dos sete assassinatos perpetrados pelo Filho de Sam em Nova York foi na verdade filmado a partir de um veículo estacionado nas proximidades. O filme foi depois comprado por um satanista rico. "Gimme Shelter", que fez muito sucesso nas bilheterias, ainda hoje pode ser adquirido ou alugado por somente alguns reais, em qualquer locadora de vídeo.

O Que Há Por Trás do Rock "Heavy-Metal"

O mesmo ano em que houve o festival de Altamont, 1969, marcou o início da carreira maligna de Ozzy Osbourne Ele formou a banda The Black Sabbath [Sabá Negro]. O grupo modelou-se nos The Rolling Stones. Os próximos quinze anos testemunhariam uma procissão de músicos de Rock drogados, como Osbourne, todos competindo pelo "dinheiro grande" e pelos contratos de gravação. O critério-chave para conseguir firmar um contrato era a capacidade de retratar decadência e malignidade. Esses eram os grupos de "heavy-metal".

Em 1985, o jornal New Solidarity, que depois foi forçado pelo governo federal a encerrar as atividades, conduziu uma entrevista com Hezekiah Ben Aaron, na época um membro de terceiro escalão na Igreja de Satanás. Hoje, Ben Aaron é um cristão dedicado. Na entrevista, ele revelou que foi sua igreja que lançou grupos de Rock como Black Sabbath, The Blue Oyster, Cult, The Who, Ozzy Osbourne, e muitos outros. Naquela época, a Igreja de Satanás era liderada por seu sumo-sacerdote, Anton LaVey. Há quem diga, porém, que LaVey, um ex-domador de leões no circo, era apenas um testa-de-ferro para o verdadeiro sumo-sacerdote, Kenneth Anger, o homem que aliciou os Rolling Stones para o ocultismo.

O seguinte é um trecho dessa entrevista: "Eu estava trabalhando para a igreja... a igreja tinha outras pessoas que eram os intermediários para outras companhias. Eram intermediários para a gravadora Apple [criada pelos Beatles], Warner Brothers, e outras gravadoras. Uma pessoa vinha até mim e dizia, "Tenho uma fita gravada e gostaria que você ouvisse. Estaria interessado em patrocinar um novo grupo de Rock?´ Eu respondia, ´Claro, prometo que vou ouvir'. Alguns dias mais tarde Ben Aaron ligava para o grupo e marcava outra reunião. 'Eu entregava US$ 100.000 e eles não assinavam nada. O que não sabiam é que um espelho colocado na parede era transparente de um único lado e estávamos gravando e filmando tudo. O pagamento dos juros, se você não conseguisse fazer sucesso, era realmente muito pesado. Algumas vezes, chegava a 60%, em dólares".

A entrevista de Aaron continuou: "enviávamos o grupo a uma loja, comprávamos as roupas que eles usariam, os amplificadores, tudo pago com o dinheiro que eles receberam. Organizávamos apresentações e viagens, enchendo a agenda do grupo de compromissos."

Ele então explicou que se o grupo não fizesse o sucesso esperado, recebia ordens de devolver todo o dinheiro ou fazer "outros acertos". Esses "outros acertos" provavelmente é o que explica as dezenas de "suicídios" de astros do Rock. A máfia do submundo tem muitos modos de eliminar aqueles que não pagam suas dívidas. Alguns leitores podem lembrar a seguinte declaração que o Beatle John Lennon fez à imprensa internacional em 1966:

"O cristianismo vai acabar. Vai acabar. Vai diminuir cada vez mais e desaparecer. Nem preciso discutir isso. Estou certo e o tempo vai provar que tenho razão. Neste momento, somos mais famosos que Jesus Cristo."

Esperemos que o tempo prove que ele estava enganado.

Ele estava enganado. O tempo já provou isso.

John Lennon foi assassinado em 8 de dezembro de 1980 por Mark David Chapman, um de seus admiradores.

"Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte." [DEUS, em Provérbios 14:12]

Autor: Donald Phau
Artigo encontrado no site Dial-The-Truth Ministries http://www.av1611.org/

Um comentário:

marks disse...

Se o diabo era um ser musical isso não quer dizer roqueiro e sim musica cara um texto tão longo pra quê onde surgiu a musica afinal??

SAGRADOS MANDAMENTOS!